02/12/2011

Visconde- 6h34

Viconde é um dos projetos paralelos de Lucas Silveira vocalista da banda Fresno, nesse projeto ele gravou músicas que não se encaixavam no contexto da banda, são músicas com uma sonoridade mais leve, com outro estilo, como sempre as letras do Lucas estão maravilhas e parecem ser bem pessoais e para mim chegam a ser poéticas.




Alguns trechinhos da música:

Se a gente entendesse que há um ciclo no amor
Começa pela cura, mas termina com a dor
A nossa cama pra sempre estaria vazia
E finjo que acredito no que dizem sobre o amor
Eu finjo que é eterno, mas te peço, por favor
Esquece tudo e vem passar comigo essa madrugada tão fria
Vê se não fica assustada quando eu digo
Eu nunca fui daqueles que fazem sentido
Amanheceu, e eu deveria estar dormindo
Mas estes versos são palavras explodindo
E, no teu colo, um dia, elas vão cair
E aonde isso vai dar, não cabe a nós decidir.

01/12/2011

Poema do livro: O caso dos dez negrinhos ou E não sobrou nenhum de Agatha Christie


Dez negrinhos vão jantar enquanto não chove;
Um deles se engasgou e então ficaram nove.
Nove negrinhos sem dormir: não é biscoito!
Um deles cai no sono, e então ficaram oito.
Oito negrinhos vão a Devon em charrete;
Um não quis mais voltar, e então ficaram sete.
Sete negrinhos vão rachar lenha, mas eis
Que um deles se corta, e então ficaram seis.
Seis negrinhos de uma colméia fazem brinco;
A um pica uma abelha, e então ficaram cinco.
Cinco negrinhos no foro, a tomar os ares;
Um ali foi julgado, e então ficaram dois pares.
Quatro negrinhos no mar; a um tragou de vez
O arenque defumado, e então ficaram três.
Três negrinhos passeando no zoo. E depois?.
O urso abraçou um, e então ficaram dois.
Dois negrinhos brincando ao sol, sem medo algum;
Um deles se queimou, e então ficou só um.
Um negrinho aqui está a sós, apenas um;
Ele então se enforcou, e não sobrou nenhum.


30/11/2011

Conspiração Internacional- Leoni

Todo mundo sabe de alguma coisa que eu não sei
De um filme que eu não vi, de um aula que eu faltei
Por mais que eu tente eu nunca chego no horário
Eu perco tudo o que eu ponho no armário
Tudo atrapalha o que eu faço
Mas pros outros parece tão fácil
A fila que eu escolho vai sempre andar mais devagar
E o troco acaba bem na hora em que eu vou pagar
Se eu me distraio um único instante
Pode apostar que eu perco o mais importante
Tudo atrapalha o que eu faço
Mas pros outros parece tão fácil
Os vizinhos devem rir por trás do jornal
E eu desconfio de um complô
O maior que já se armou
Uma conspiração internacional
Todo mundo acha que o Rio de Janeiro
Não é bonito como foi no passado
Será verdade
Será que eu devo acreditar
Quando eles dizem que eu cheguei atrasado
Nunca foi nada perfeito
Mas até que eu gosto assim desse jeito

Poema do Livro " A Marca de Uma Lágrima"- Pedro Bandeira


Há o momento de chegada
E o instante de partida
Quanta vida já vivi
Quanto resta a ser vivida?

São dois espelhos quebrados
Dois vezes sete de má sorte
Já vivi quatorze anos
Quanto resta para a morte?

É fácil vê-la chegar
Em cada momento que passe
Pois se começa a morrer
No momento em que se nasce

Estou caminhando pra morte
Não decidi meu nascer
Da morte não sei o dia
Mas posso saber!

29/11/2011


Ás vezes me bate um medo de nada dar certo, de não conseguir realizar os meus sonhos, alcançar meus objetivos, é tão difícil essa vida de adulta, queria poder voltar no tempo, ter estudado mais, queria voltar a não ter tanta responsabilidade...
Hoje sou eu que luto por mim mesma, não tenho mais meus pais para me ajudar em tudo, eles já fizeram o que tinham que fazer, e de agora em diante sou eu que tenho ir atrás dos meus sonhos.
Antes era tudo mais fácil, eu só  brincar, eu queria voltar a ser criança...

28/11/2011

Como usar Oxford

O oxford é uma sapato originalmente do vestuario masculino, mas que vem se tornando cada vez mais comum no guarda-roupa feminino. Ele se tornou objeto de desejo das mulheres mais antenadas, modernas e em elegantes. Podemos encontra-los em diversos modelos, dos mais classicos aos mais ousados, temos oxfords com salto, bico arrendondado, tachas, estampas florais, animal print, mas todos com a amarração em cardaço que da todo o charme ao sapato.
Por ser inspirado no vestuario masculino o oxford deve ser combinado com peças  delicadas e femininas para harmonizar o visual, na hora de compor o look utilize peças lisas na parte de cima, deixando todo o destaque para o sapato.





Divulgada letra inédita de Amy Winehouse

Foi divulgada letra inédita da rainha Amy, Halftime é maravilhosa, uma combinação incrível entre a letra e a melodia, com  uma sonoridade de Jazz, ótima para escutar agarradinha com seu amor, ou em uma reunião de amigos.

28/10/2011

Inspiração: Cupcake












E essa saudade constante de você? Como fazer esse desejo constante de estar com você passar? Não tem jeito, não há mais saída você domininou meu coração, você é como tatuagem não sai de mim de jeito nenhum, e nem quero que saia, eu quero é poder estar com você a cada dia.
Não há nada que eu possa fazer para acabar com essa dor incontrolável que me arrebata quando sou obrigada  a ficar longe de você, doi e muito essa distância, doi esses silêncios em meio a tanto barulho, porque não tem a sua voz, doí essa solidão, doi ficar sem você..

Camila- Solo Para Ti

27/10/2011

27/10/2011

Hoje encontrei com um amigo que mora aqui perto de casa, viemos conversando na lotação e ele veio ocmigo até o portão de casa, conversa vai conversa vem, ele disse que eu devia ir qualquer quarta-feira de noite na pracinha aqui da minha cidade, beber um pouco, que eu precisava conhecer mais pessoas, sair  mais, que eu não vivo.
Sim eu vivo, de uma forma difirente da maioria das pessoas da minha idade mas vivo, acho que amadureci rápido demais por tudo que já passei, eu não tenho mais vontade de sair para encher a cara.Fazer coisas que eu não me lembrarei depois não faz sentindo para mim, sou antiquada sim, e me orgulho disso.
Eu não sou, não penso, e não ajo iguais aos "jovens", deve ser por isso que eu não tenho paciência com adolescente e pesssoas que parecem que não sairam da adolescência, é bebida, cigarro,sexo, demais e cerebro de menos para o meu gosto.
Sim eu sou antipatica, sou grossa, não forço amizade.
É tão dificil assim entender que eu prefiro ficar na casa da minha namorada, fazendo aparentemente nada, do que sair todo final de semana? Eu prefiro um parque, um livro, um maquina fotográfica,um lanche, a álcool, luzes piscando e música alta?
O que você gosta é seu, o que eu gosto é meu e ponto!

Eu só quero falar, só preciso falar. Falar de tudo, do dia-a-dia e como ele dilascera meu coração com essa distância, falar de tudo o que se passa nesse meu mundo, falar só falar, mesmo que ninguém preste atenção, falar só por falar, para esvaziar a minha mente e limpar alma. 
Eu só quero tirar de dentro de mim essas saudades, essas dores, esvaziar a minha cabeça, para depois enche-la novamente com minhas preucupações  e meus medos sem fundamento, eu só quero por um momento não pensar. Não pensar em nada, passado, presente, futuro, NADA, quero ficar como em um limbo, anestesiada, adormecida, e talvez sonhar, com dias melhores, com um mundo melhor, mas sem ter que acordar e me decpicionar quando abrir meus olhos.
Eu só queria falar, só queria não pensar ...

26/10/2011

O dia que Júpiter encontrou Saturno

Foi a primeira pessoa que viu quando entrou. Tão bonito que ela baixou os olhos, sem querer querendo que ele também a tivesse visto. Deram-lhe um copo de plástico com vodka, gelo e uma casquinha de limão. Ela triturou a casquinha entre os dentes, mexendo o gelo com a ponta do indicador, sem beber. Com a movimentação dos outros, levantando o tempo todo para dançar rocks barulhentos ou afundar nos quartos onde rolavam carreiras e baseados, devagarinho conquistou uma cadeira de junco junto a janela. A noite clara lá fora estendida sobre Henrique Schaumann, a avenida poncho & conga, riu sozinha. Ria sozinha quase o tempo todo, uma moça magra querendo controlar a própria loucura, discretamente infeliz. Molhou os lábios na vodka tomando coragem de olhar para ele, um moço queimado de sol e calças brancas com a barra descosturada. Baixou outra vez os olhos, embora morena também, e suspirou soltando os ombros, coluna amoldando-se ao junco da cadeira. Só porque era sábado e não ficaria, desta vez não, parada entre o som, a televisão e o livro, atenta ao telefone silencioso. Sorriu olhando em volta, muito bem, parabéns, aqui estamos.

Não que estivesse triste, só não sentia mais nada.

Levemente, para não chamar atenção de ninguém, girou o busto sobre a cintura, apoiando o cotovelo direito sobre o peitoril da janela. Debruçou o rosto na palma da mão, os cabelos lisos caíram sobre o rosto. para afastá-los, ela levantou a cabeça, e então viu o céu tão claro que não era o céu normal de Sampa, com uma lua quase cheia e Júpiter e Saturno muito próximos. Vista assim parecia não uma moça vivendo, mas pintada em aquarela, estatizada feito estivesse muito calma, e até estava, só não sentia mais nada, fazia tempo. Quem sabe porque não evidenciava nenhum risco parada assim, meio remota, o moço das calças brancas veio se aproximando sem que ela percebesse.

Parado ao lado dela, vistos de dentro, os dois pintados em aquarela - mas vistos de fora, das janelas dos carros procurando bares na avenida, sombras chinesas recortadas contra a luz vermelha.

E de repente o rock barulhento parou e a voz de John Lennon cantou every dau, every way is getting better and better. Na cabeça dela soaram cinco tiros. Os olhos subitamente endurecidos da moça voltaram-se para dentro, esbarrando nos olhos subitamente endurecidos dos moço. As memórias que cada um guardava, e eram tantas, transpareceram tão nitidamente nos olhos que ela imediatamente entendeu quando ele a tocou no ombro.

-Você gosta de estrelas?
-Gosto. Você também?
-Também. Você está olhando a lua?
-Quase cheia. Em Virgem.
-Amanhã faz conjunção com Júpiter.
-Com Saturno também.
-Isso é bom?
-Eu não sei. Deve ser.
-É sim. Bom encontrar você.
-Também acho.

(Silêncio)

-Você gosta de Júpiter?
-Gosto. Na verdade "desejaria viver em Júpiter onde as almas são puras e a transa é outra".
-Que é isso?
-Um poema de um menino que vai morrer.
-Como é que você sabe?
-Em fevereiro, ele vai se matar em fevereiro.

(Silêncio)

-Você tem um cigarro?
-Estou tentando parar de fumar.
-Eu também. Mas queria uma coisa nas mãos agora.
-Você tem uma coisa nas mãos agora.
-Eu?
-Eu.

(Silêncio)

-Como é que você sabe?
-O quê?
-Que o menino vai se matar.
-Sei de muitas coisas. Algumas nem aconteceram ainda.
-Eu não sei nada.
-Te ensino a saber, não a sentir. Não sinto nada, já faz tempo.
-Eu só sinto, mas não sei o que sinto. Quando sei, não compreendo.
-Ninguém compreende.
-Às vezes sim. Eu te ensino.
-Difícil, morri em dezembro. Com cinco tiros nas costas. Você também.
-Também, depois saí do corpo. Você já saiu do corpo?

(Silêncio)

-Você tomou alguma coisa?
-O quê?
-Cocaína, morfina, codeína, mescalina, heroína, estenamina, psilocibina, metedrina.
-Não tomei nada. Não tomo mais nada.
-Nem eu. Já tomei tudo.
-Tudo?
-Cogumelos têm parte com o diabo.
-O ópio aperfeiçoa o real
-Agora quero ficar limpa. De corpo, de alma. Não quero sair do corpo.

(Silêncio)

-Acho que estou voltando. Usava saias coloridas, flores nos cabelos.
-Minha trança chegava até a cintura. As pulseiras cobriam os braços.
-Alguma coisa se perdeu.
-Onde fomos? Onde ficamos?
-Alguma coisa se encontrou.
-E aqueles guizos?
-E aquelas fitas?
-O sol já foi embora.
-A estrada escureceu.
-Mas navegamos.
-Sim. Onde está o Norte?
-Localiza o Cruzeiro do Sul. Depois caminha na direção oposta.

(Silêncio)

-Você é de Virgem?
-Sou. E você, de Capricórnio?
-Sou. Eu sabia.
-Eu sabia também.
-Combinamos: terra.
-Sim. Combinamos.

(Silêncio)

-Amanhã vou embora para Paris.
-Amanhã vou embora para Natal.
-Eu te mando um cartão de lá.
-Eu te mando um cartão de lá.
-No meu cartão vai ter uma pedra suspensa sobre o mar.
-No meu não vai ter pedra, só mar. E uma palmeira debruçada.

(Silêncio)

-Vou tomar chá de ayahuasca e ver você egípcia. Parada do meu lado, olhando de perfil.
-Vou tomar chá de datura e ver você tuaregue. Perdido no deserto, ofuscado pelo sol.
-Vamos nos ver?
-No teu chá. No meu chá.

(Silêncio)

-Quando a noite chegar cedo e a neve cobrir as ruas, ficarei o dia inteiro na cama pensando em dormir com você.
-Quando estiver muito quente, me dará uma moleza de balançar devagarinho na rede pensando em dormir com você.
-Vou te escrever carta e não te mandar.
-Vou tentar recompor teu rosto sem conseguir.
-Vou ver Júpiter e me lembrar de você.
-Vou ver Saturno e me lembrar de você.
-Daqui a vinte anos voltarão a se encontrar.
-O tempo não existe.
-O tempo existe, sim, e devora.
-Vou procurar teu cheiro no corpo de outra mulher. Sem encontrar, porque terei esquecido. Alfazema?
-Alecrim. Quando eu olhar a noite enorme do Equador, pensarei se tudo isso foi um encontro ou uma despedida.
-E que uma palavra ou um gesto, seu ou meu, seria suficiente para modificar nossos roteiros.

(Silêncio)

-Mas não seria natural.
-Natural é as pessoas se encontrarem e se perderem.
-Natural é encontrar. Natural é perder.
-Linhas paralelas se encontram no infinito.
-O infinito não acaba. O infinito é nunca.
-Ou sempre.

(Silêncio)

-Tudo isso é muito abstrato. Está tocando "Kiss, kiss, kiss". Por que você não me convida para dormirmos juntos.
-Você quer dormir comigo?
-Não.
-Porque não é preciso?
-Porque não é preciso.

(Silêncio)

-Me beija.
-Te beijo.

Foi a última pessoa que viu ao sair. Tão bonita que ele baixou os olhos, sem saber sabendo que ela também o tinha visto. Desceu pelo elevador, a chave do carro na mão. Rodou a chave entre os dedos, depois mordeu leve a ponta metálica, amarga. Os olhos fixos nos andares que passavam, sem prestar atenção nos outros que assoavam narizes ou pingavam colírios. Devagarinho, conquistou o espaço junto à porta. Os ruídos coados de festas e comandos da madrugada nos outros apartamentos, festas pelas frestas, riu sozinho. Ria sozinho quase sempre, um moço queimado de sol, com a barra branca das calças descosturadas, querendo controlar a própria loucura, discretamente infeliz.

Mordeu a unha junto com a chave, lembrando dela, uma moça magra de cabelos lisos junto à janela. Baixou outra vez os olhos, embora magro também. E suspirou soltando os ombros, pés inseguros comprimindo o piso instável do elevador. Só porque era sábado, porque estava indo embora, porque as malas restavam sem fazer e o telefone tocava sem parar. Sorriu olhando em volta.

Não que estivesse triste, só não compreendia o que estava sentindo.

Levemente, para não chamar a atenção de ninguém, apertou os dedos da mão direita na porta aberta do elevador e atravessou o saguão de lado, saindo para a rua. Apoiou-se no poste da esquina, o vento esvoaçando os cabelos, e para evitá-lo ele então levantou a cabeça e viu o céu. Um céu tão claro que não era o céu normal de Sampa, com uma lua quase cheia e Júpiter e Saturno muito próximos. Visto assim parecia não um moço vivendo, mas pintado num óleo de Gregório Gruber, tão nítido estava ressaltado contra o fundo da avenida, e assim estava, mas sem compreender, fazia tempo. Quem sabe porque não evidenciava nenhum risco, a moça debruçou-sena janela lá em cima e gritou alguma coisa que ele não chegou a ouvir. Parado longe dela, a moça visível apenas da cintura para cima parecia um fantoche de luva, manipulado por alguém escondido, o moço no poste agitando a cabeça, uma marionete de fios, manipulada por alguém escondido.

De repente um carro freou atrás dele, o rádio gritando "se Deus quiser, um dia acabo voando". Na cabeça dele soaram cinco tiros. De onde estava, não conseguiria ver os olhos da moça. De onde estava, a moça não conseguiria ver os olhos dele. Mas as memórias de cada um eram tantas que ela imediatamente entendeu e aceitou, desaparecendo da janela no exato instante em que ele atravessou a avenida sem olhar para trás.