29/11/2010

Mas eu podia passar todos os dias da minha vida ao lado dela que jamais enjoaria, iria querer sempre mais, sempre poder sentir a pele dela na minha, olhar como os olhos dela brilhavam a luz do sol, ou como sua bochechas coravam quando eu lhe falava algo romântico ou quando lhe roubava um beijo na frente de todos.
Ela era como uma boneca, toda perfeitinha, uma verdadeira princesa e eu como sempre lhe dizia era a plebéia da historia, sempre desajeitada, mas éramos perfeita uma para outra, nos completávamos e isso ninguém podia negar.

Aprendendo a Esquecer- Cap IV
Karen Salerno. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário